Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

jlopez

jlopez

Crítica: Entre o aparato e a intimidade, uma estrela multifunções chamada Jennifer Lopez

A famosa “hola” popularizada em estádios de futebol mexicanos no ano de 1986 já atravessara várias vezes as bancadas do Pavilhão Atlântico e, com as luzes ainda acesas, ergueram-se braços no ar em coreografia. No palco, via-se apenas um grande pano com a inscrição “J-Lo”.

J Lo deu início à digressão mundial em Lisboa

 

Jennifer Lopez, a mulher que a revista Forbes considerou em Maio a personalidade mais influente na área do entretenimento, preparava-se para inaugurar a digressão mundial em Portugal, perante um pavilhão muito bem composto.

Lopez, diz-nos a Wikipedia, é uma “actriz americana, mulher de negócios, dançarina e artista com carreira discográfica”. A ordem em que surgem listados os seus ofícios, caso corresponda a uma ideia de hierarquia, não deixa de ser curiosa. Pormenor secundário. Interessa ela ser hoje representação perfeita de um super-estrelato indefinido e multifunções.

Jennifer Lopez é uma figura destacada do showbiz tal como entendido no século XXI, pós-explosão do mundo de reality shows – curiosamente, o seu renascimento mediático americano ocorreu quando se tornou jurada de um desses programas, o American Idol. Jennifer Lopez, 43 anos, está presente em todo o lado: na TV, na rádio, no cinema ou através das muitas marcas que ostentam o seu nome (perfumes são mais de uma dezena). No Pavilhão Atlântico não esteve simplesmente a cantora com carreira iniciada em 1999, mas uma marca associada a uma ideia contemporânea e massificada de glamour, sensualidade e romantismo: a “bomba latina” de origem porto-riquenha que cresceu no Bronx e se tornou face incrivelmente visível do sonho americano. Ora, foi precisamente em modo de blockbuster de Hollywood e em cenário de musical da Broadway repleto de luzes e cor que decorreu este concerto de uma hora e meia, gravado para registo da digressão em DVD.

Já se sabia que assim seria – mais fogo-de-artifício, menos raios laser; mais bailarinos, menos adereços de palco, há alguma previsibilidade nestes espectáculos da realeza do espectáculo norte-americano, quer falemos da matriarca Madonna, da diva Beyoncé ou da fénix Britney Spears. Daí a excitação, a “hola” e a coreografia improvisada ainda antes da entrada em palco: a extravaganza estava prestes a começar e o público queria sentir-se parte dela. Assim foi.

O concerto começou em modo musical clássico, com o cenário repleto de bailarinos, a banda discretamente escondida nos extremos do palco, e Jennifer Lopez surgindo no meio dele numa placa elevatória. De fato colado ao corpo, todo ele brilhantes e transparências, cantou “Love don't cost a thing”, gritou “Portugal!”, cumprimentou os fãs da primeira fila e dela saiu com um cachecol da selecção. A acção em palco só era parcialmente visível nos dois ecrãs: parte do tempo o que se via neles eram vídeos, quais extensões de telediscos, os músicos dos duetos registados em estúdio (Flo Rida em “Goin' in”, Lil Wayne em “I'm into you”) ou até imagens caseiras (os seus filhos em férias, em “Until it beats no more”).

Todo o concerto se jogou nessa ambiguidade entre a inacessibilidade da estrela rodeada de aparato e a projecção de uma certa intimidade. Como fez questão de referir, ela ainda é “a pobre rapariga porto-riquenha que cresceu no Bronx” (e chega “Jenny from the block). Ela é “Lopez, the champion” (e houve simulação de combate de boxe em palco, com ringue incluído). J Lo é a rainha auto-coroada que terminará o concerto a subir para um trono enquanto canta os primeiros versos dessa tenebrosa “Lambada” que serve de base ao êxito global “On the floor” - bastaram um par de compassos para que o Atlântico se transformasse em discoteca animadíssima, em pista de carrinhos de choque ocupada por gente dançarina.

Ao longo do concerto, Jennifer Lopez cantou o desejo de encontrar o amor e de manter o amor; imaginou o que seria o amor se ela fosse correspondida no amor; versou sobre como sabe bem o amor e como sabe bem fazer o amor; projectou como pode vir a ser bom o amor e como é bom o amor quando já o temos bem pertinho. Constatando-se, de facto, um padrão repetitivo na lírica, tal é compensado pela mudança constante de tons e cenários. Em “Let's get loud” ritmos electro-salsa têm moldura de clube retro de Havana. No supracitado “Jenny from the block”, estamos entre uma trupe de breakdance do Bronx. Quando se ouve a balada “If you had my love”, interpretada em versão acústica, J Lo surge como mulher de elegância e vestido clássico. E, quando o concerto começa a aproximar-se do final, tudo se conjuga para a explosão derradeira: os raios laser tornam-se mais luminosos ainda, a pirotecnia explode uma vez mais, caem balões sobre o público que não para de dançar e que dançando continuará quando, em encore, se ouve “Dance again”.J Lo despede-se: “I love you Portugal. 'Abrigado'”. A super-estrela passou por aqui. Musicalmente, entre flirts com o hip hop clássico, discretos polvilhados funk e a inevitável investida latina, pouco existe que a distinga da produção R&B apontada às discotecas, recheada de sintetizadores saídos da europop de má memória da década de 1990. Mas isso, mais uma vez, é só um pormenor. Neste caso, como sabemos, a música é apenas uma parte de uma equação apelidada Jennifer Lopez. J Lo para os íntimos.

Jennifer Lopez
Lisboa, Pavilhão Atlântico, 5 de Outubro, 21h05
Pavilhão a dois terços da lotação
2,5 estrelas

Fonte: Público